Arquivo da tag: tragédias

César Ades, grande Etólogo, grande mestre!

O descuido de uma pessoa ao dirigir roubou de nosso convívio o César Ades. Pra quem o conheceu não é preciso dizer nada, mas pra quem não o conheceu vou contar um pouco sobre quem foi esse jovem senhor que nos deixou aos 69 anos.

Numa de suas esplêndidas aulas ele falou sobre o comportamento de coleta dos primatas, que os  faróis vermelho amarelo e verde vieram direto dessa situação. Com amarelo e vermelho se para a corrida pela floresta para ver se o alimento já está maduro. Se está verde ainda, passa-se reto. Não é a toa que as cores do macdonald’s são essas.

Ele tinha paixão por aranhas e contava delas com um entusiasmo de adolescente. Entusiamo de adolescente aliás é uma boa forma de descrever o estado de espirito do César. No dia de matricula é conhecido que ele participava da pintura dos calouros e por esses deixava se pintar.

Um dia lhe perguntei se toparia compor uma mesa junto da professora Lígia Assumpção do Amaral (também falecida nas ruas de nosso trânsito caótico ) no dia mundial do meio ambiente. Psicologia e Meio ambiente foi a discussão que propus. Toparam, reservei a sala na hora de almoço e foi um bate papo simples, e muito bacana sobre o que unia esses dois temas.

Quando se tornou diretor ele já sabia da minha mania de plantar árvores pelo instituto, plantamos uma árvore para um funcionário que havia falecido na construção do bloco novo de professores. Mais tarde ele chamou para o plantio de uma figueira, esta, é muda de uma que ficava na Alameda Glete. Ali no casarão onde começou o instituto de psicologia. Naquele momento estava a se tornar um estacionamento, e a frondosa árvore seria derrubada contou triste. Mas sorriu olhando para a muda que conseguira.

Estar nos corredores da Psico nunca mais será tão alegre.

Participei da campanha preferência a vida, posto aqui em homenagem a esse grande professor. Obrigado por ter estado entre nós César!

Dias de Julie

Sexta de manhã, há uma semana e dois dias, minha mãe me ligou esbaforida, quando atendi escutei sua voz tensa dizendo “ainda bem, vc tá ai”,  me assustei num primeiro momento… até entender que o problema era eu. Ela escutou no rádio sobre a morte de um ciclista na Paulista.  A partir desse momento, comecei a ligar para alguns amigos que passam ali, com coração apertado. Me sentia um grande egoista com meu desejo de que fosse uma pessoa que eu não conhecesse. Chegando em casa, sem conseguir trabalhar li e-mails, escutei rádio, tentei entender o que tinha acontecido.  Um telefonema me falando um nome, outra ligação pra uma jornalista amiga confirmando e o mundo desabou, era uma pessoa que eu conhecia…

A Julie, moça de sorriso fácil, de luz forte em seus olhos, com uma forma bacana de propagar idéias para um mundo melhor… não queria acreditar. Nos pedais verde brincava com quem tivesse perto, distribuia carinho e atenção. Me tem invadido o sentimento que estar na rua de bici é como estar no mar, sujeito a forças maiores. Sabemos de nossos direitos como ciclistas, mas as pessoas ao redor ignoram esses direitos, é como se a luta por espaço não me disse consequencias até que o pior aconteça (vale ler este artigo). Ai a desculpa é que foi acidente, mas a atitude nunca é de cuidado e atenção com o outro. Fui procurar esse video:

sei que comparações são esdruxulas muitas vezes, mas o bom sentimento que traz essa rua é algo pelo que vale a pena lutar. Ainda me sinto de luto, ainda me encho de um sentimento de revolta ao lembrar do que aconteceu. De luto, lutaremos! Obrigado por ter compartilhado seu sorriso conosco…

Homenagem de um lado, trajédia de outro.

Enquanto acontecia a homenagem ao Sr Antônio Bertolucci, que faleceu ao ser atropelado enquanto pedalava numa alça de acesso à Sumaré, houve outra morte de ciclista, pouco noticiada, mas igualmente num conflito com os gigantescos ônibus.

“Um adolescente Carlos Jorge Machado Martins, de 15 anos, morreu após ser atropelado por um ônibus na última segunda-feira 13 de Junho. Por volta das 20 horas, na rua guaiauna, no bairro da penha, em São Paulo. ele chegou a ser socorrido mas não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital.
O motorista do ônibus contou que trafegava pela via dentro da velocidade permitida e que ao cruzar um semáforo que estava aberto, carlos e outros dois adolescentes que estavam de bicicleta atravessaram na frente do veículo. a vítima bateu na lateral do ônibus perto da porta de desembarque.

O adolescente foi socorrido ao hospital municipal do tatuapé e o motorista estava com a cnh vencida há cerca de um mês, mas disse não ter percebido. O caso foi registrado no 10º DP como homicídio culposo na direção de veículo automotor e dirigir sem permissão ou habilitação.”

No senado federal há um esboço de atitude, assim como na Câmera Municipal de São Paulo , desejamos que traga frutos concretos, e que não seja apenas uma reação momentânea enquanto os ânimos estão exaltados e o fato fresco na memória.

Na mesma segunda feira 13, saiu uma matéria na folha onde o diretor de Trânsito da Espanha, Pere Navarro Olivella, afirma entre outras coisas que: “Acidente viário deve ser combatido como doença grave” e afirma que aceitar a taxa de 100 mortes diárias é assumir que existe uma guerra.

Menos de duas semanas antes o ouvidor da secretária municipal dos transportes, Sr. Luis Sérgio Bottura” afirmou que “Multas são melhor cartilha para educar motorista”.  Ele está certo! Só punindo as infrações teremos um comportamento de trânsito mais seguro.

À Familia de Antonio Bertolucci

Tirei essa foto no começo da noite, no meio da névoa a canela me parou, me fez sentir a alegria de sua simples existência.  Alegria misturada a angustia de pensar que um dia ela pode não mais estar ali.

Não sabia do ocorrido com o Sr Antonio Bertolucci. Na estrada, às 21h recebi um sms comunicando que um senhor de 68 anos falecera na avenida sumaré enquanto pedalava.  Quando soube vim triste…., sentindo a dor de perder um amigo que não conheci, dedico a ele e sua familia essa foto, e essa breve oração atribuída ao Almirante Horst.

Dai-nos força, Senhor, para aceitar com serenidade tudo o que não pode ser mudado.

Dai-nos coragem para mudar o que pode, e deve ser mudado.

Dai-nos sabedoria para distinguir uma coisa da outra.

Têm muita gente lutando para melhorar essa lamentável realidade Paulistana para com o uso da bici como meio de transporte. Isso pode, e vai ser melhorado!

Ao Japão, com carinho

As cenas que correram o mundo são terríveis. A vontade que fica é chamar o pessoal e dizer ” Ó, vêm pra cá!? Têm um pessoal descendente de vocês aqui que ajudou a construir esse Pais, e vcs são muito bem vindos!!”

Esse rapaizinho parece mais ser viatnamita ou dali de perto, as cenas emocionaram, e motivaram a escrever algo sobre esse dolorido fato.

Ontem li mais uma reportagem sobre a trajetória dos fatos na terra do sol nascente. O que mais chama a atenção nessa, é que nem um saque foi feito, o desespero de um possível desabastecimento não motivou nenhum. Nenhuma agressão foi registrada. No Superdome, depois da enchente em New Orleans, em uma semana  houveram saques, mortes e até estupros.

Agradeço pelas lições bonitas que nos dá esse povo! Em meio ao caos ambiental que vive no momento, tenho certeza que farão desse, algo muito bonito!

E agora Ricardinho?

O idiota de porto Alegre agora faz uso de táticas para não ser preso, afirma estar deprimido. E eu com isso? E a sociedade com isso? Ele têm que pagar pelo que fez e sua punição há de ser condizente com a repercussão de sua absurda tentativa de homicidio. Em diversos blogs/sites relacionados a causa da bicicleta esse vídeo abaixo foi postado, são mais de 500 mil acessos em menos de uma semana.  Pessoas se direcionaram as embaixadas do Brasil pedindo informações sobre a continuidade do caso. Com que cara sediaremos uma copa ou uma olimpíada caso não haja um desfecho decente nesse caso?

O difícil dessa situação é saber que nos tribunais de Justiça o bicho carro parece ser tão ou mais valorizado que fora desses espaços. Como cita essa matéria, nem prestar conta dos carros em uso os tribunais prestam. Se os tribunais agem dessa forma, o que esperar de seus julgamentos quando o tema envolve a carrodependência?

E sua familia? Como deve estar sendo para seu filho freqüentar a escola esses dias? Estar ao lado de seu pai que faz algo desse nível deve ser horripilante. Como encara-lo novamente? Sua familia deve estar a sofrer, e mesmo que me doa pensar em seu sofrer desejo a este senhor que vá preso o mais rápido possível. Que por anos veja o sol nascer quadrado e tenha sua rotina preenchida por muito trabalho ligado as conseqüências do ato que cometeu. Que da cadeia vá pra Apae, veja e trabalhe com cadeirantes, que facilmente alguma de suas vitimas poderia ter se tornado e depois retorne pra sua cela e pense nos seus atos. Se fez isso pra fora da familia nem quero pensar o que aprontou dentro desta.

Para Melanie Klein é importante que as pessoas passem por uma fase depressiva, tá certo que isso deveria ser com tenros 3 anos de idade, mas se até agora ele não entendeu que o mundo não é dividido em bom e mal e que ele precisa domar o seu mal; que seja agora a hora dele se deprimir. Mas que seja no lugar certo, na cadeia!

A ordem das coisas

A brincadeira acima mostra que as pessoas parecem topar uma ordem proposta, alguns a burlam,  perguntam o por que, mas se é proposto deve haver algum motivo e tende-se a respeitar. Nesse vídeo abaixo a mesma coisa de outra forma.

Fui ver esse vídeos pra acalmar…. O que vi da tentativa de homicídio em  porto alegre http://tinyurl.com/49qwt4s me traz uma revolta profunda e o pensamento que temos que encarar as regras como libertadoras. Não pode-se tolerar que as regras sejam diferentes para quem têm poder econômico diferente. O cara que atropelou os ciclistas deve ser tratado como um assassino. E as pessoas que criticam os ciclistas de ocupar a via que pensem em seus familiares crianças e idosos. A era do carro já era só não vê quem não quer. Não vou reproduzir as imagens que vi, espero que todos os participantes estejam bem em suas casas agora, cobertos com o carrinho de quem amam. Vou dormir, estou exausto, e amanhã pedalar e plantar o sonho de um Brasil melhor.