Banheiros públicos

Um fato acontecido com um aposentado de 70 anos numa agência Bancária em São Miguel Paulista, zona leste da capital paulista, chama a atenção para um problema recorrente, a falta de banheiros nas cidades.

Eis a noticia: Falta de banheiro rende R$ 8 mil

Com problemas intestinais depois de muito insistir não conseguiu um banheiro e não teve outra opção, em meio as pessoas obrou ali mesmo na agência. Foi acionada a policia e um processo foi aberto no qual o senhor receberá uma soma em dinheiro por danos morais.

Consultando a legislação em páginas da internet há leis municipais, estaduais e federais sobre o assunto. Em grande parte tratam de assegurar a gratuidade do uso de banheiros em estações rodoviárias.

Interessante que profissionais da Saúde editaram um livro justamente sobre banheiros em São Paulo, colocado a disposição na internet por um laboratório químico. Na introdução deste os autores dizem que 10% das pessoas têm problemas em segurar suas necessidades, o que aumenta com a idade. E justificam a obra peguntando “Como fazer em uma cidade como São Paulo, imersa num trânsito caótico e que nos obriga a frequentar continuamente locais de grande aglomeração, como terminais de transporte público?” Essa pergunta eles tentam responder é bom dar uma espiada no livro, trata-se de nossa saúde.

É muito comum turistas terem problemas com isso e diversos guias turísticos colocam as redes de fast food como uma boa opção para usar um banheiro em momentos de urgência.

Enquanto isso cada um dá seu jeito pra descarregar…

Foto: Ines Correa

 

Anúncios

Uma resposta para “Banheiros públicos

  1. Cara, se Sampa é complicado, Belo Horizonte é pior!
    Quando estive em Sampa por alguns dias (em Set/2011) me chamou a atenção o fato de várias galerias comerciais possuírem banheiros e a maioria bem cuidados, assim como o que existe na estação de metro da Praça da Sé – esse então me chamou mais a atenção por ser mais bem cuidado que muitos banheiros públicos PAGOS de BH, alás, pra se usar um banheiro decente na região central de BH só tirando algumas moedas do bolso, e mesmo assim são poucos e alguns até piores que as condições que vi no existente na estação da Sé.

    Sem contar que isso me passou a impressão que meus conterrâneos tem uma péssima mira quando vão usar o banheiro!

    E quando a pessoa não tem nada ($$), vai na rua mesmo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s